Convite à participação

IN_SU_LA

I Colóquio Internacional Insula

Discursos Periféricos da(s) Modernidade(s)

Funchal | UMa-CIERL

19, 20 e 21 de Novembro de 2015 

Submissão de propostas até 30 de Maio de 2015 

Em Março de 1915 era publicado, em Lisboa, o n.º 1 de Orpheu. Revista Trimestral de Literatura, um periódico cujo foco de interesse ultrapassaria em muito o da criação literária. Buscando o novo e o moderno, Orpheu pretendia romper com os valores e as práticas culturais dominantes no sistema cultural português. O chamado I Modernismo Português desenvolvia-se, assim, num contexto político-cultural ambivalente. Se Lisboa era, por um lado, capital de um ‘império colonial’ e do sistema cultural nacional, por outro, era uma cidade marginal em relação a Paris e às principais metrópoles europeias.

Acompanhando outras instituições que, ao longo de 2015, assinalam a efeméride do centenário da publicação de Orpheu, o CIERL – Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais da Universidade da Madeira, em parceria com a Delegação da Madeira da Ordem dos Arquitetos, com a Porta 33 e com o Clube Universitário de Cinema, promove no Funchal, entre 19 e 21 de Novembro de 2015, o I Colóquio Internacional Insula, subordinado ao tema Discursos Periféricos da(s) Modernidade(s).

Tal como a Lisboa de 1916, também as ilhas assumem um carácter paradoxal. Por um lado, são percepcionadas como periferias em relação aos espaços continentais, sem contudo deixarem de ser centros de referência afectiva, cultural e identitária para quem nelas nasceu e/ou as habita. Por outro lado, enquanto espaços de trânsitos e en-contros, as periferias insulares (assim como outras, continentais) são também realidades socio-culturais e políticas marcadas pela transgressão e, nessa medida, espaços de inovação e (re)criatividade.

Deslocando o foco da atenção académica para espaços, fenómenos culturais, sujeitos e/ou perspectivas epistemológicas e criativas considerados periféricos (em particular, mas não exclusivamente, os insulares), o I Colóquio Internacional Insula. Discursos Periféricos da(s) Modernidade(s) apresenta-se como encontro potenciador de reflexão sobre o mapa dos modernismos e das modernidades. Um mapa que, como lembra Susan Stanford Friedman (2012), exige hoje uma revisão. Não podendo deixar de dar atenção aos centros metropolitanos ocidentais, essa nova cartografia das modernidades deverá também (re)ver a densidade cultural, epistemológica e re-criativa das periferias, interrogando-se sobre as modernidades e os modernismos que aí se construíram. De acordo com Terry Eagleton (1970) e Osvaldo Silvestre (2008), o alto modernismo europeu foi protagonizado por “gente da província em migração para as grandes capitais da Europa, as quais segregarão por isso uma cultura da internacionalização e da desfamiliarização” (Silvestre, 2008).

Mas o que terá acontecido em sentido inverso, i. e., dos centros para as periferias? Como foram experienciadas as vanguardas do início do século XX e outros modernismos e modernidades em espaços geopolíticos e culturais considerados periféricos? Como responderam as sociedades e os sujeitos insulares (europeus e coloniais) ao novo proposto por esses (e outros) modernismos? Os espaços periféricos terão sido um absoluto vazio cultural, destituído de sujeitos capazes de dialogar criticamente com esses modernismos e essas múltiplas modernidades? Poderão as margens ter produzido, localmente, um discurso próprio sobre as ideias e fenómenos culturais criados e discutidos nos centros de maior gravitação artística, social e política? Que papel tem sido atribuído aos espaços geoculturais periféricos na construção da narrativa sobre os vários modernismos e as diversas modernidades?

Neste sentido, o CIERL – Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais convida à apresentação de propostas de comunicação a integrar no I Colóquio Internacional Insula, orientadas pelo propósito de estudar e discutir os discursos periféricos da(s) modernidade(s).

Acolher-se-ão com interesse, propostas de áreas disciplinares diversas: Antropologia, Arquitectura, Arquivística, Biologia, Ciências da Educação, Ecologia, Economia, Engenharias, Estudos Artísticos, Estudos de Comunicação, Estudos de Cultura, Estudos Linguísticos, Estudos Literários, Estudos Políticos, Estudos de Tradução, Estudos de Turismo, Filosofia, Geografia, História, Museologia, Psicologia, Sociologia, Urbanismo e outras.

Sugerem-se, não de forma exclusiva, os seguintes tópicos de abordagem:

» Modernismo(s) e Modernidade(s):

  1. Periferias e Centros: dicotomias e/ou implicações? Perspectivas multidisciplinares;
  2. A marginalidade em agentes e fenómenos culturais dos séculos XX e XXI;
  3. Os media na difusão, legitimação e questionação de valores e discursos;
  4. O Museu, o Arquivo, a Biblioteca, a Actividade Editorial, a Escola: o seu papel na revis(itaç)ão dos modernismos e das modernidades;
  5. Literatura, mobilidades e interculturalidade;
  6. Trânsitos, tradução, modalizações e transculturalidade;
  7. Natureza, arte, tecnologia e ciência: construção de saber; (re)criação; relação humana com o contexto eco-sociocultural;
  8. Repensar a polis e o espaço urbano;
  9. Afectos, pensamento e espiritualidade;
  10. Sujeito, crise e psicanálise.

Submissão de propostas:

» Propostas de comunicações com duração não superior a 20 minutos e de posters deverão ser remetidas até 30 de Maio de 2015, para o e-mail do colóquio: insula@mail.uma.pt

» As propostas (em formato Word: Times New Roman, 12) deverão incluir:

– título da comunicação/ poster;

– resumo numa língua de trabalho do encontro (200 palavras);

– 5 palavras-chave

– nome do autor, endereço eletrónico, afiliação institucional e uma breve nota curricular (100 palavras).

» Até 30 de Junho de 2015, a Comissão Científica do I Colóquio Internacional I Insula. Discursos periféricos da(s) modernidade(s) informará os autores das propostas de comunicação e de posters que venham a ser aceites.